quarta-feira, outubro 10, 2007

A casa

A casa está vazia.
Apenas silêncio e uma poeira fina.
O sol entra acanhado iluminando os móveis velhos.
A cortina da sala está suja.
A cama está do mesmo jeito e roupas e sapatos estão jogados no chão.
Não há sinal de vida.
Vazia.
Um vento tímido balança o pano branco que cobre o velho piano.
Pode ser que ele volte. Deixou a porta aberta, acho que é um sinal.
Pode ser que ele venha com móveis novos e troque tudo.
E pinte as paredes e toque o piano.
A melodia mais linda.
Talvez não volte nunca e esta casa morra de vez.
Ele saiu apressado durante uma noite de tempestade sem capa de chuva ou botas.
Parecia estar triste, não sei.
E quando saiu da casa ele caminhou em direção ao rio...
Há quem diga que se você se debruçar na margem e olhar bem lá no fundo você o verá.
E parece que é a cena mais bonita de se ver...

3 comentários:

BHY disse...

Nossa, lindo, lindo, lindo, lindo, lindo... Milhões de vezes! Muito obrigado!
;-)

André Mans disse...

vc tem uma alma insana preso na poesia e cheiro de chuva.

bj

Somnia Carvalho disse...

Lindo Ed, lindo!!! lindo!!!
lembrei de tanta gente... de um conto do guimaraes... do murilo mendes e do Ed... um amigo muito poeta!